terça-feira, 16 de setembro de 2014

Dennis Diehl


Em uma roda de conversa sobre gays que curtem rock, eu fui questionado sobre o cara mais gostoso da atualidade, e tudo que eu lembrei foi de um conjunto: o metalcore. Porque dele vieram M. Shadows (que eu poderia ter mencionado), Ben Bruce, os safados da Endworld e tantos outros que enfeitam com corpos expostos e tatuados a cena roqueira hoje em dia. Encontre qualquer banda de metalcore e com certeza vai manter as mãos ocupadas.



É caso da Any Given Day, banda alemã que tem nos vocais Dennis Diehl, com todos seus músculos e suas tattoos. Oriundo de outra banda do mesmo naipe, a Butterfly Coma, que mais tarde se renomeou para The Mercury Arc, por conta de direitos de marca, Dennis chega a Any Given Day com um álbum de estúdio até o momento, My Longest Way Home, lançado este mês.

 

Tanto The Mercury Arc quanto Any Given Day seguem o mesmo estilo de som, pouco se consegue achar alguma diferença, se houver alguma. E Dennis segue como o vocalista, alternando entre os berros e o melódico. Considerando os títulos fofos de singles como Home Is Where The Heart Is, um sucesso comercial e pop é bem almejado.


Falta só informação. Site oficial, páginas em redes sociais e coisas do tipo não trazem porra nenhuma. Nem mesmo em alemão. Aliás, dá pra perceber pelos poucos comentários em inglês nas redes que a banda ainda engatinha uma carreira internacional. Deve ser por isso que já soltaram uma cover de Diamonds, da Rihanna, com videoclipe e tudo. Business is business.


O que importa é que Any Given Day é uma boa banda, é pesada e barulhenta, rende um bate-cabeça  (não confundir com bate-cabelo, bitches!) legítimo. E Dennis, bem... Dennis serve até de modelo para marcas de roupas, pra se ter uma ideia. Não só enfeita, como faz um peso na cama. É bem do que a gente gosta, e precisa.